quinta-feira, 30 de junho de 2011

- salmo 91.


O justo confia em Deus

Você que habita ao amparo do Altíssimo,
e vive à sombra do Onipotente,
diga a Javé: "Meu refúgio, minha fortaleza,
meu Deus, eu confio em ti!"

Ele livrará você do laço do caçador,
e da peste destruidora.
Ele o cobrirá com suas penas,
e debaixo de suas asas você se refugiará.
O braço dele é escudo e armadura.
Você não temerá o terror da noite,
nem a flecha que voa de dia,
nem a epidemia que caminha nas trevas,
nem a peste que devasta ao meio-dia.
Caiam mil ao seu lado
e dez mil à sua direita,
a você nada atingirá.

Basta que você olhe com seus próprios olhos,
para ver o salário dos injustos,
porque você fez de Javé o seu refúgio
e tomou o Altíssimo como defensor.
A desgraça jamais o atingirá,
e praga nenhuma vai chegar à sua tenda,
pois ele ordenou aos seus anjos
que guardem você em seus caminhos.
Eles o levarão nas mãos,
para que seu pé não tropece numa pedra.
você caminhará sobre cobras e víboras,
e pisará em leões e dragões.

"Eu o livrarei, porque a mim se apegou.
Eu o protegerei, pois conhece o meu nome.
Ele me invocará, e eu responderei.
Na angústia estarei com ele.
Eu o livrarei e glorificarei.
Vou saciá-lo de longos dias
e lhe farei ver minha salvação".

"Meu preferido, sempre."

sexta-feira, 17 de junho de 2011

- o que a distância não muda.


Hoje eu aqui e você aí, e daí? Nada muda, nada mudou. Dificuldades existem e pessoas para piorá-las também. Sei que chorou no telefone comigo, apenas não demonstrei. Esta tempestade está a passar... os trovões e raios, de luzes intensas caindo do céu já passaram e agora resta apenas uma nuvem turva-passageira. Disse que me livraria de ti de uma vez por todas, mas sempre antes de dormir, quando estou em comunhão com Deus meus pensamentos rodeiam você e peço proteção para ti a Ele; não consigo me livrar de ti. Hoje, não menos que ontem nem mais que amanhã, pensei em ti e despejei todos meus sentimentos de amor e carisma, puros e verdadeiros, dizendo palavras de dentro do coração: “Que nesta data Deus ilumine seu caminho e que nada, nem ninguém possa atingir ou alterar sua intensa e infinita felicidade. Que Ele despeje luz e forças para suportar as dificuldades da vida, que são muitas e transforme-as em experiência de vida para superá-las. Que nenhum mal nesse mundo atinja ou interfira em nossa amizade, em nosso amor, e, mesmo que tentem não conseguirão, pois acima de qualquer coisa, eu amo-te e considero minha mãe, minha amiga, minha tia! Estamos caminhando juntos pela mesma estrada de mãos dadas, onde, se um cair, o outro estará ali, só para segurar a mão, mesmo que seja em pensamentos. Feliz aniversário, desta data querida e inesquecível.

“Sempre teremos um ao outro em orações.”

domingo, 12 de junho de 2011

- estúpido.


Neste dia eu resolvi contar minhas cartas. Contei todas e somaram 200, com contos de amor, ódio, perseguição, confidência. Todas elas tem um começo e meio e não terão um destinatário; não mandá-las-ei. Talvez coloque fogo, talvez deixarei guardadas, talvez esquecerei. Ontem eu era uma criança num conto de fadas, hoje eu cresci. Não acredito em certas coisas e passei a acreditar em coisas que antes não acreditava. Mas se algum dia eu encontrar o cupido apontando alguma flecha para mim, eu pedirei para ele desmontar sua flecha ou mirá-la para outro lado. Não deixarei que acabe com a auto-estima que criei para fugir dos problemas. E se insistir em lançar-me aquela flecha, alegarei que havia um corte antes, onde um dia lançou uma de suas, mas que agora se cicatrizou o nem ficou marcas; apenas me deixa em paz. E se não gosta das regras que te impus, não jogue o meu jogo; só não queira cometer o mesmo erro novamente para saber que não vai dar mais certo. Não precisa me odiar por escolher meu próprio caminho, mas você não pode acertar sempre que lança sua flecha, escolhendo o amor de todas as pessoas. Me aceite ou me deixe, mas eu nunca vou mudar; nunca. E se disser que me arrependerei, lembrar-te-ei que você é apenas um ser que só comete erros e o arrependimento deveria ser seu de destinar o coração das pessoas e não fazê-las escolherem um morador para a moradia de dentro de cada peito próprio; pare de brincar com os corações! Use essas asas que acabei de quebrar e aprenda a voar, cupido. Use um óculos ou troque de profissão. Agora, uso esses olhos, antes, cheio de lágrimas e tristezas para agora enxergar. Apenas deixe eu escolher meu amor e meus olhos falarão quando minha boca estiver calada. Apenas dá um tempo e não me persiga mais.

“Apenas empresta uma de suas flechas, que te mostrarei um pouco do teu próprio veneno.”

sexta-feira, 3 de junho de 2011

- a new start.


A thousand apologies I require not knowing say goodbye right. Well we tried, we made plans, but our ideals are no longer the same. Maybe not talk of love, but it's something I feel inside done flower what lose your perfume with the time. Two are one now. Keep your sunny afternoons in your heart. Listen, now to walk alone. You know, I'm trying to figure out, trying to untie the knots, getting away from the shackles that I did to get here. Forget the pain and take the kiss and the taste of our history and know that from now on my eternal does not belong to you.

“That this end do not bring the pain, for it is only a new start.”

quarta-feira, 1 de junho de 2011

- Romeu V - Última carta para o Romeu.


E quando eu soube que uma carruagem passaria por estas bandas neste final de semana fiquei super alegre e pensei comigo mesma: irei viajar... Mas... Para ver quem? Esqueceu que não és mais bem vinda? Serei uma intrusa? É... Como a vida muda, meu Romeu! Antes tu precisavas de mim, oh ser preponderante; hoje não precisas mais, as coisas mudam e não posso interferir nos sentimentos, nos corações, no voo dos pássaros, nem no brilho das estrelas; nem na vida. Não digo que estou a chutar o prato a que comi, mas não posso amar sozinha. Não digo que te amo mais, mas não te odeio também; tornou-se apenas mais um ser vivo na face da Terra não tendo importância mais alguma pra mim. Tinha tudo para darmos certo, tudo mesmo, sabe? Oh, Romeu, por quê? Por que jogaste tamanho amor ao léu? Antes de ontem eu sofri, chorei e até deprimi. Ontem eu senti sua falta. Hoje até esqueci qual o sabor de sua boca, o calor do seu abraço, seu perfume que tanto amava e precisava e até seu sobrenome. Tudo está apagado, sabe? Não consigo guardar sentimentos por muito tempo, porque enjôo das coisas; e sempre soube disso. Não guardes rancor de mim, príncipe incompreendido. Lembre de mim como uma estrela-cadente que veio, passou, deixou uma marca e se foi! Foi muito legal partilhar um pouco da minha vida com você, querido, e não digo que nunca mais o verei; mas não agora e não tão já! Quero viver, quero sair dessa cúpula ilusória que me cercava para viver novos ares. Não sabes, mas viajarei... Sim! Baterei minhas asas para fora e darei o melhor de mim para eu ser lembrada por todos, fazendo o melhor que sei fazer e tu sentirás orgulho, mas farei por mim mesma e não que seu orgulho me fará melhor ou pior; nem sinto. Então acho mais fácil jogar fora as coisas enterradas em seu baú e dar lugar para outras coisas, "mais novas" como chamam agora, querido conhecido. Agora os trompetes estão tocando e terei de assistir uma apresentação, mas quero que sejas feliz eternamente, pois agora eu irei a buscar outro Romeu maduro e que saiba amar, pois eu quero um homem e não um garoto.

“PS.: Eu ainda quero um amor que dure o resto da vida, pois um amor com dores, lágrimas e sofrimento só é legal nas histórias de Romeu e Julieta.”
Ass. Julieta.