terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

- tempestade.


Pareceu um alívio, e foi. Pareceu a calmaria, e se cumpriu. Suspirei com todo o ar que pude empurrar para dentro de mim e soltei-o num só gemido de liberdade. E tudo se calou, até o vento. Ferir pessoas, colocar mentiras nas cabeças delas, fazê-las chorarem por um simples desejo obcecado? Não consigo, não posso, não aceito tais atitudes. Estava prejudicando todos em minha volta, sem exceção e do jeito que estava não poderia ficar. Olhava para os meus amigos ao meu redor com o peso de magoá-los por coisas que eu não fiz. Tudo isso acabou com um telefonema... Fui sincero, não me arrependo e era tudo o que eu queria dizer, não?! Não!! Aquele não era eu, pra que mentir? Disfarcei-me e muito bem. Minha voz, antes de ouvir o silêncio do telefone já havia mudado, pra que me enganar? Travei depois de largar o aparelho telefônico. Foi difícil, pois enquanto louvavam “Sou Humano” me desesperei e olhei ao redor e cadê? Não estava. Duas horas de choro seguidas, todos me olhando e me perguntando o que tinha acontecido e eu nada tinha a declarar, apenas pela simples culpa, me perguntando a Deus: “Eu afastei ela do Senhor, meu Deus”. Sim eu chorei, solucei e meu olho apenas entre-aberto. Qual era o propósito? Do jeito que machucava as pessoas por minha causa, não poderia continuar acontecendo, muito menos inventando mentiras e torturando-as, pondo medo nelas e me manipulando. Pode me odiar, pode me julgar, pode afastar-se de mim, pode nunca mais olhar para mim, eu aceito. Mas ver que você voltou na casa de Deus, eu apenas te digo: “Que Mulher!”

- estou orgulhoso; mesmo.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

-...


..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................

"Pra que esfregar tudo na cara se o silêncio e a melhor resposta?"

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

- até ontem.


Hoje mesmo eu murmurei, sabe?! Eu murmurava e não entendia o porquê. O julgava, não aceitava o que Ele Impôs na minha vida e queria o que eu queria e não a Tua vontade, mesmo sabendo que seria cobrado depois. Queria o mais difícil e sofrer bastava e estava tudo bem. Te trazer de volta, era como se cada lágrima que eu derramasse era um centímetro mais perto de ti. Então queria chorar quilômetros por noite. Te queria, te queria, te queria. A saudade corroia como um ácido penetrando cada fibra de meu coração; e me satisfazia com as lágrimas da noite... como eu era feliz... BESTEIRA!! Até que hoje, neste instante, sabe?!, lembrei de um passado que passou e lembrei que ele passou; simples assim. Queria te dizer pessoalmente, mas é impossível, pois faço, agora, somente a vontade de Deus... Espero, de verdade, que Deus faça contigo o mesmo que fez comigo, juro. A tua felicidade ainda é importante pra mim. Olhei para uma foto atual com quem estás feliz e gritei: "Graças a Deus que está no passado e não sou eu no lugar dele!"

“Obrigado Deus, mesmo!!”

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

- adapte-me.


Sim; não. Agora; mais tarde. Muito; pouco. Cheio; vazio. Necessito; não preciso. Construo; destruo. Canto; me calo. Rasgo; costuro. Mordo; assopro. Corro; paro. Sorriso que contamina; mal humor. Cheio de vida, desprendido; doente, manhoso. Doce; salgado. Tempestade; bonança. Faca; pena. Pego no pé, eufórico; pare, chega. Excesso; escassez. Respondo; ignoro. Espelho; caco de vidro. Faminto; saciado. Flor; espinho. Temperado; insonso. Contagiante; insuportável.

"Tenho opinião, mas enjoo de tudo. Prefiro ser este camaleão ambulante do que ter aquela velha rotina formada."