- segurou até onde pode.

A cabeça parece que vai explodir e sei que vai espirrar sentimentos pingando sangue pra todo lado. A garganta parece que está bem cheia; há espinhos presos nela, cortando cada músculo com precisão, principalmente quando tenta engoli-lo ou cuspi-lo para sair; um zigue-zague. Os olhos estão inchando e se espetar com uma agulha sairá litros de águas que segurou para se mostrar forte. Os ouvidos não ouvem mais, porque os tapou por tanto tempo que perdeu a percepção do som; nem ruídos. Quando estava no leito, nem conseguiu dar o último suspiro.
“E alguém pergunta...”

- não sangra mais.

Sabe aqueles que você mais pensa que são seus amigos? Eles te dão a mão, te ajudam, te auxiliam, dão-te o caminho e te fazem chorar? Então... Se eles virassem de costas pra você, você veria-os carregando uma faca, a mais pontuda, de preferência. Eles dão a mão para ter certeza da queda, te ajudam só para ajudarem a si próprios, auxiliam para jogar na sua cara depois, dão o caminho para ter certeza que eles sempre estarão na frente jogando pedras e te fazem chorar, não enxugam sua lágrima, mas sim, viram a faca para doer mais. Estou cercado de pessoas assim e nunca percebi. Cansei das pessoas me abraçarem, cansei das pessoas dizerem que são minhas amigas, cansei das pessoas planejar algo mau para fazer e cansei principalmente delas dizerem que me amam. Amam nada, nunca amaram e nada que alguém diga ou faça vai mudar esse meu pensamento. Elas amam, manipulando você a dizer o mesmo para elas, para amaciar o ego próprio. Sempre quando alguém diz que me ama eu logo mudo o rumo da conversa e se esperarem um “eu também te amo”, espero não ferir com a expectativa de vocês. Já havia começado a me fechar para as pessoas e agora só está aumentando. Cada dia mais tenho nojo dos seres humanos. Amor só em Cristo, sempre e único e não cabe outro amor mais em mim; este é o destino que escolhi.
“Desculpa a decepção, mas não pedi para criar expectativas sobre mim.”

- ainda você.

Então eu estou tentando dormir, na pior noite do mês, quando tudo aconteceu, naquele dia, naquela hora, naquele instante... Sentado, coberto, esperando a noite passar, contando nos dedos os segundos. Uma voz soa no silêncio e eu tapo os ouvidos, porque ela é gentil, sagaz e diz o que você quer ouvir; coloco um fone de ouvido e encosto a cabeça na parede. E sem eu perceber, dos ouvidos ela passa para os seus olhos, tornando-se uma imagem sedutora na qual lembrei da parte que mais gostava em ti: daquele sorriso enlouquecedor. Então eu fecho-os num ato desesperado. Ela escorrega para o nariz e aquela imagem transforma-se num perfume, sem dúvida aquele que eu abria o guarda-roupa para apenas para sentir seu cheiro ou borrifá-lo no meu travesseiro para ter você por toda minha noite ... o melhor que eu lembro que usara; mas logo tapo o nariz e o perfume transforma-se num sonho. Sonho ou pesadelo? Por que insiste em voltar mesmo você não estando nem aí? Rasgar meu coração não basta? Um tiro e facadas não bastaram? Continua fazendo que nada está acontecendo e eu continuarei fingindo que está tudo bem! [com um lindo e forçado sorriso]
“Alguém pode dar um lenço pro meu coração?”