- funeral.

Hoje eu me sentei e me permiti trazer à memória algumas lembranças daquelas tardes nubladas, quando estava deitado, sem paz em meus pensamentos. Eu não podia estar só, nem vazio, pois alguém estava ao meu lado, observando cada ar que em mim entrava. E em outra tarde qualquer, nunca irei esquecer aquele olhar, que, não demonstrei, mas vi todas as cores daqueles furiosos olhos, que diziam pra mim "adeus"; mais uma vez. Mas os lábios não se encontraram pela última vez; foram embora emudecidos e trancafiados. Agora vivo todos os dias em um funeral. Toda luz que havia em mim, agora é escuridão. Tudo que eu tinha de riqueza, agora é somente tristeza. Tudo o que eu sabia, agora é mentira. E tudo que eu preciso, está bem longe de mim. Não vais seguir em frente? Como faço para superar?
"Não vou te enterrar."