- cadê o presente?

Você vai dormir todo ansioso; desesperado. Mexe-se várias vezes na cama, de um lado para o outro, fecha bem forte os olhos e de repente entra num sono forçado; adormece. Está ali somente para passar o tempo e quando acorda passaram-se apenas quatro minutos; que decepção, nem é Natal ainda. Mas mesmo assim dá uma espiada em baixo da árvore e nada encontra; “- Que demora...” Triste, dá um pulo na cama e adormece por falta de opção. Sente-se como estivesse no mais fundo de seus sonhos e, talvez, desejasse que nunca mais amanhecesse o dia, quando, sente cheiro de café. Abre os olhos e passaram mais quatro minutos de sono; hoje a noite não passa! Começa a imaginar coisas, momentos (aqueles que desejaria que nunca tivesse acabado), quando ouviu o canto de um pássaro; já era manhã. Corre, desenfreado para a sala e vai ver seu presente na árvore, ou na chaminé, ou sentado, ou na cozinha, qualquer coisa; mas não. Nada... Mais uma vez seu presente não chegou; mais uma vez.
“Talvez a espera esteja morrendo, mas nunca a vontade.”

- boa noite.

É quase duas da manhã. O telefone toca, porque você sabia que eu estaria acordado, e então pergunta: “Poderia me ajudar a concertar o último erro?” Eu desliguei sem saber o que fazer. O inverno foi a pior estação que passei longe de ti e quando eles estavam nos acusando com os olhos eu passei pela porta, mas você ficou; em pânico. Eles estão, pela mesma razão, aqui, esperando mais um para apontar; mesmo sem o direito, e você ainda não aprendeu isso. Tempos passaram e eu abri aquela porta e te vi (como uma luz no fim do túnel), com uma garrafa na mão, e me disseram que desde aquele dia você não tem estado mais na sobriedade; apenas sentou e bebeu tudo o que pode. Teu sorriso é tão lindo... quero te abraçar, mas talvez eu somente cante isso. Você olha na minha direção, gritando, porque está frio e solitário aí dentro. Mas se eu tirar-te cometerá os mesmos erros de novo e de novo. Apenas fique aí que eu estou saindo. É quase duas e quinze da manhã do outro dia e eu ainda não consegui dormir, acordado, olhando para o telefone e escrevendo aquela canção, colocando tudo no papel, tirando de dentro de mim, ameaçando aquela vida a quem pertence. Sinto-me nu expondo isso, porque é como um diário no meio da multidão e eles vão entender isso como quiserem, pois a vida é como uma ampulheta colada à mesa, responde até aquilo que nem foi perguntado.
“Eu não queria querer, mas sem querer eu quero e ainda vou deixar de querer.”

- seque-as.

Eu pedi pra ser assim, mas as lágrimas não eram para estarem inclusas, sabe?! Tudo era tão mais fácil há duas semanas atrás; talvez pra mim. E de repente tudo mudou e mudou novamente. Talvez eu saiba como se sente por dentro; talvez não. Não abaixe a cabeça para a tristeza e não a deixe te dominar. Nem tudo é como queremos, por hora, mas e o amanhã? Ele existe e nele existe a esperança, e a esperança diz que nada separará. Eu sei que ao amanhecer você se sentirá melhor, com a luz do sol. Por hora estarei alguns quilômetros de distância do frente-a-frente, mas eu sempre estarei aí; é só me procurar.
“Só diga que ficará bem...”

- uma dolorosa gargalhada.

Ele entrou em seu quarto, sentou-se defronte a um grande espelho com muita maquiagem e tinta na mesa; uma gama. Começou a pensar em tudo o que passou e a lágrima começou a pingar uma após outra. Então ele deu um grande sorriso, porque alguém bateu na porta; assim que ele se esconde. Pôs-se logo a pintar-se. Começou pelos olhos, depois seu queixo e finalmente a boca... ele deveria desenhar a tristeza que estava em seu coração ou desenhar o maior sorriso, para disfarçar e animar seu público? Talvez ele pintou-se como todos queriam vê-lo; igual a uma máscara. Vestiu-se e pôs sua peruca e animou aquele lugar, cheio de pessoas com expectativas. Aquele sorriso brilhava! Ele daria seu melhor esta noite, mas não passa de um acrobata que incendeia a dor dentro de si. Um sorriso maquiado irônico; a dor era a que tomava conta. E todos que o olhava pensariam que ele era a pessoa mais feliz de todas, mas a paz não existia ali; apenas uma ilusão. E, acabando aquele show, ele volta para seu quarto e começa a tirar a pintura de seu rosto com um algodão e suas lágrimas.
“É o que ele tenta ser que os alegram e faz isso muito bem.”

- pequenas luzes.

Você parece querer o escuro quando está tudo claro e querer o errado quando está tudo certo. Isso te faz bem? Sentir coisas opostas, enganando, dizendo que ainda ama? Isto está me deixando louco. Hoje você olha ao teu redor e vê tudo como gostaria que fosse; tudo como sonhou. Apenas esqueceu-se de tudo e começou do zero, como se a vida tivesse sido criada naquele momento; tudo em um piscar de olhos. Vai demorar muito tempo para você perceber que o tempo está passando? O mundo que está em suas mãos é o seu. Mas, se ele fosse meu, eu juraria que se não houvesse brilho no vasto céu, eu te esqueceria para sempre. Então olhei para o céu e dei um sorriso... dei um suspiro e continuei naquele momento, com aqueles pontinhos de luz.
“Porque o brilho delas ainda me lembra você.”

- o presente-passado.

O tempo deu um sinal, mas não disse que o sentimento tinha que morrer; esqueci. Do amor ferido, como qualquer homem assustado, guardo as lembranças. Às vezes penso que hoje é o dia mais triste da vida e então chega o amanhã e supera, engolindo palavras duras de se dizer e ouvir; apenas uma lágrima seca. Toda vez, ainda ouço sua voz chamando meu nome e olho para o nada e nada mesmo; eu sinto como chamas ardentes. Tentei dançar, mas não posso pegar a chuva; ela já caiu. Apenas um alguém que se foi e nunca disse adeus.
“Por que as flores insistem em querer morrer?”

- nem que seja em pensamento.

O tempo vai passando, dia após dia e coisas não são capazes de sair de nossa mente, aquelas que ninguém sabe que você esconde, bem lá dentro e mesmo que procurem nunca saberão onde. Pra que mostrar coragem e dizer que é capaz de amar cupidamente se você nunca terá quem realmente quer, enganando, talvez, criando fantasias na cabeça daqueles que você nunca escolherá? Apenas digo que não sou capaz! Mais uma vez estou pensando nisso, deixando para lá o caminho mais fácil. À noite eu ouço minha voz, sem saber que sou eu mesmo falando, dizendo: “por que este sentimento nunca acaba?” Nunca vai existir alguém igual a ti, pois até hoje tocou no meu coração com um olhar; só um tiro certeiro, e ninguém, até hoje, atingiu tão fundo, nem com palavras, nem com ações, nem com o sorriso. Me sinto envergonhado em ainda dizer isso. A realidade é que estamos em mundos separados, agora. Será que alguém pegou meu lugar? Eu deveria imaginar isso acontecendo, pois o que eu poderia oferecer? Eu deveria ter visto os sinais; talvez eu vi, mas não quis aceitar. Ganhar ou perder? Continuar pensando ou deixar para lá? Amar ou odiar? Cedo ou tarde terei de escolher... Infelizmente não tive muitas chances para demonstrar o quanto eu me importo. Se eu pudesse voltar no tempo será que eu faria melhor ou escolheria nunca ter te conhecido? Mas se eu deixar-te partir de vez, nunca saberei o que é o amor novamente. Será que você viria, agora, sorrindo? Como saberei se eu te deixar partir?
“Eu pensei que o teu amor não terminaria nunca. Como eu pude ser tão bobo?”

- não importa.

Grite... grite sim e bem alto; pode gastar todo seu ar. Ninguém vai te ouvir, mesmo estando ao teu lado, entretanto, se ouvirem, dirão que sabem o que está passando e que sente muito, mas não poderão ajudar, te olhando com pena; clichê. Olhos por todo o lado estarão, mostrando gratidão e compaixão, mas as lágrimas são de crocodilo. Sopram para você respirar um pouco de ar, mas o pulmão parou faz muito tempo; nem suspira. Às vezes me pergunto se os problemas que nós arrumamos são difíceis de resolver ou aqueles que estão do nosso lado que são inúteis. Por que as pessoas nunca são transparentes, vivendo um carnaval mascarado a vida toda? Por que acham que seu problema ou é muito mais difícil de resolver que do outro ou que pode tomar conta do teu próprio problema, levando ele pra sempre nas costas cansadas ao invés de resolver com uma simples atitude? Por que a ansiedade, o descontrole, o egocentrismo, o orgulho estão vivendo, fortes, e o amor é o único que parece estar doente? Pode gritar bem alto, mas já disse que ninguém vai te ouvir.
“As pessoas estão mortas por dentro e não sabem disso.”

- bem mais que amigos

Um arrepio tomou conta do momento e um suspiro aconteceu; mas não havia ar. A insanidade apoderou-se por completo dos pensamentos e desceu para dentro da bermuda; que caos. O auto-controle deixou um recado escrito: “volto em instantes”, sem ao menos dizer onde foi; ele sempre some. Em seguida um grande esforço infrutífero para tentar dar sentido ao que não tem sentido; era óbvio. Ouvia-se apenas o eco do silêncio remanescente num gemido do vácuo; infinito. Jogou-se então a pureza no vento e soprou para bem distante... lá onde os sonhos navegam. Os olhos fechavam-se com o franzir da testa; ela suava. A mão fez curvas e as pernas entrelaçadas. O cabelo puxava; “- veja só...”. Tudo isso bem intenso, mas ainda havia vida. E quando o auto-controle voltou já era tarde, aliás, o sol estava aparecendo e o quarto estava vazio.
" Mas o chuveiro estava ligado ainda..."

- força irracional.

E com certeza poderia ser tudo mais fácil. Ao dormir, alguém estaria ali e ao acordar, sentir seu respirar. Deitar em seus braços para fazer sentir-se seguro, dormir abraçado para sentir-se acompanhado e um beijo de boa noite para completar a história. Por que tudo isso é tão difícil? Não culpo a opção; culpo apenas o coração; sempre equivocado. E bastava ouvir apenas que as lágrimas não foram ignoradas, só para o dia continuar bem.
“É difícil deparar-se com o sonho, quando você sabe que é perda de tempo.”

- sociopata.

Eu não poderia sentir esta necessidade. É como se mil vozes, lá no fundo, ecoassem, sussurrando: “Isso é quem você é”. E você, confuso, luta contra a pressão, mas a necessidade vem crescendo como uma onda, agora barulhenta, perfurando e insistindo, cutucando para ser alimentada. Mas o sussurro fica cada vez mais alto até gritar: “AGORA!” e é a única voz que você ouve; a única voz que quer ouvir. Você pertence a isso... a essa sombra própria; a este passageiro escondido. Eu sei de sua existência em mim e deixo se esconder, e certamente não falo sobre ele. Mas está lá; sempre. Quando ele está dirigindo eu me sinto vivo e estranhamente mal de ter essa sensação de saber que está errado, ele, em estar no comando. Não luto contra ele e nem quero. Ele é tudo o que eu tenho e nada mais poderia me amar... nem eu mesmo... ou é só uma mentira que esse passageiro me conta? Porque existem momentos em que me sinto conectado a algo mais; a alguém. É como se ele se escondesse e coisas, pessoas que nunca tiveram importância passam a ter... Isso me assusta muito...
“Às vezes você só deixa ele no controle para saber quem você realmente é.”

- (re)construindo.

Olhei em volta e tudo estava velho: as paredes, os pisos, o telhado, o jardim, o coração. Por que nossos momentos juntos terminaram? O que eu sinto parece não passar, eu sei. Está ficando repetitivo e cinza; a mesma chatice, mas apaixonar-me não fazia parte do plano. Eu memorizei o seu número, porque ainda não consigo te ligar? O telefone quebrou ou você mudou de número ou meus dedos não acertam mais? Apenas fecho meus olhos e faço um pedido e o telefone toca. Ansioso pego o telefone e deixo cair, desligando-o, sem querer... Era você? Está pensando em retornar a ligação? Espero que seja agora e não amanhã. Tento cantar uma canção para mudá-los, pois eu não mando nos meus pensamentos e ele insiste em me levar até a você. Continuo arrumando as coisas jogadas, limpando a poeira (que são muitas), ensacando coisas antigas e guardando no sótão, mas ele parece bem cheio. As lágrimas? De saber que está bem longe e talvez permaneça. O sorriso? De saber que você ainda existe. As coisas conspiram contra fazendo com que não haja a menor probabilidade. Tirei as plantas mortas e coloquei novas sementes. Aguei-as e protegi-as do sol; lembro que fazia isso contigo. De novo você? Devolva o meu mundo que eu devolvo a sua paz. Foram seus olhos e não minha vontade; não me culpe. O sótão abriu-se e começaram a cair às coisas velhas lá de cima. Não vou escondê-las de volta. Mergulhei sem pensar e nem sei se voltarei, me afogando aos poucos neste mar sem fim, nem meio.
"E eu apagar ainda não basta."

- já!

Você já tentou entrar numa situação que já sabia exatamente o que iria acontecer? Mas você entra assim mesmo. E então seus temores vêm à tona e você se tortura porque já sabia como terminaria. Isso é quem você é e, além de tudo, fica se punindo por isso. O amor não é fácil, pois uma vez que você o acha (o verdadeiro) ele jamais poderá ser substituído. E você se consola do sofrimento e supera a dor. Acha que aprendeu e poderá continuar em frente... e faz tudo errado outra vez; te perseguindo...
“E dentro de si mesmo haverá borrões, d’onde poderia ter saído uma bela obra de arte.”

- segurou até onde pode.

A cabeça parece que vai explodir e sei que vai espirrar sentimentos pingando sangue pra todo lado. A garganta parece que está bem cheia; há espinhos presos nela, cortando cada músculo com precisão, principalmente quando tenta engoli-lo ou cuspi-lo para sair; um zigue-zague. Os olhos estão inchando e se espetar com uma agulha sairá litros de águas que segurou para se mostrar forte. Os ouvidos não ouvem mais, porque os tapou por tanto tempo que perdeu a percepção do som; nem ruídos. Quando estava no leito, nem conseguiu dar o último suspiro.
“E alguém pergunta...”

- não sangra mais.

Sabe aqueles que você mais pensa que são seus amigos? Eles te dão a mão, te ajudam, te auxiliam, dão-te o caminho e te fazem chorar? Então... Se eles virassem de costas pra você, você veria-os carregando uma faca, a mais pontuda, de preferência. Eles dão a mão para ter certeza da queda, te ajudam só para ajudarem a si próprios, auxiliam para jogar na sua cara depois, dão o caminho para ter certeza que eles sempre estarão na frente jogando pedras e te fazem chorar, não enxugam sua lágrima, mas sim, viram a faca para doer mais. Estou cercado de pessoas assim e nunca percebi. Cansei das pessoas me abraçarem, cansei das pessoas dizerem que são minhas amigas, cansei das pessoas planejar algo mau para fazer e cansei principalmente delas dizerem que me amam. Amam nada, nunca amaram e nada que alguém diga ou faça vai mudar esse meu pensamento. Elas amam, manipulando você a dizer o mesmo para elas, para amaciar o ego próprio. Sempre quando alguém diz que me ama eu logo mudo o rumo da conversa e se esperarem um “eu também te amo”, espero não ferir com a expectativa de vocês. Já havia começado a me fechar para as pessoas e agora só está aumentando. Cada dia mais tenho nojo dos seres humanos. Amor só em Cristo, sempre e único e não cabe outro amor mais em mim; este é o destino que escolhi.
“Desculpa a decepção, mas não pedi para criar expectativas sobre mim.”

- ainda você.

Então eu estou tentando dormir, na pior noite do mês, quando tudo aconteceu, naquele dia, naquela hora, naquele instante... Sentado, coberto, esperando a noite passar, contando nos dedos os segundos. Uma voz soa no silêncio e eu tapo os ouvidos, porque ela é gentil, sagaz e diz o que você quer ouvir; coloco um fone de ouvido e encosto a cabeça na parede. E sem eu perceber, dos ouvidos ela passa para os seus olhos, tornando-se uma imagem sedutora na qual lembrei da parte que mais gostava em ti: daquele sorriso enlouquecedor. Então eu fecho-os num ato desesperado. Ela escorrega para o nariz e aquela imagem transforma-se num perfume, sem dúvida aquele que eu abria o guarda-roupa para apenas para sentir seu cheiro ou borrifá-lo no meu travesseiro para ter você por toda minha noite ... o melhor que eu lembro que usara; mas logo tapo o nariz e o perfume transforma-se num sonho. Sonho ou pesadelo? Por que insiste em voltar mesmo você não estando nem aí? Rasgar meu coração não basta? Um tiro e facadas não bastaram? Continua fazendo que nada está acontecendo e eu continuarei fingindo que está tudo bem! [com um lindo e forçado sorriso]
“Alguém pode dar um lenço pro meu coração?”

- precipitado.

Daí então você abre suas asas e quer voar para o lugar que mais deseja, até que descobre que com suas asas você não pode ir a lugar algum e cai. Então você estica suas mãos, o mais alto que pode, mas sabendo que ninguém irá te ajudar; e de repente você é surpreendido...
"Aprenda a voar primeiro..."

- untitle.

"Always"

- de volta.

E quando eu começo a ler os textos de alguns meses atrás vi que estava perdendo a essência de um escritor. Por que enterrei isso? Onde eu enterrei? Fui eu que enterrei? Não, não sou assim e não posso ser assim. Eis que tudo volta a ser intenso, comovente e atingir o alvo; mesmo não sabendo quem ou o que é. Seja algo criado de minha mente ou verídico, como sempre foi, não vai mais passar de meras palavrinhas com algum significado, mas sim uma vida querendo expressar-se para alguma coisa.
"As letras estavam enterradas, mas não morreram, eu sei."

- licença.

Na vida buscamos coisas tão intensamente que percebemos que, quando conseguimos foi o mesmo que correr atrás do sopro vento. Parar pra pensar, questionar a si mesmo e deixar Ele falar é a solução dos problemas... que problemas??? A solidão, a angustia, a ansiedade, o egocentrismo, o desdém, a falta de amor com o próximo. Temos medo de tantas coisas, que não arriscamos nem somos ousados com medo de errar; mas antes, tentar e errar do que nunca ter tentado, não?! Não tenha medo de cair, siga em frente; sempre, continue tentando e não dê ouvido para a mediocridade, hipocrisia e nem para o sujo, porque Ele dá o caminho.
"Da licença medo, minha felicidade quer passar."

- qual é seu espinho?

Às vezes você está andando pelo jardim, admirando sua beleza, o canto e o encanto dos pássaros, para, vê uma rosa, pega-a. Logo encontramos alguns espinhos e julgamo-la por ela ser assim, tornando isso um empecilho. Mas o que muitos não sabem é que espinho não faz o jardim deixar de ser jardim, nem a rosa deixar de ser rosa. Você que deixou o amor morrer por causa dos espinhos, saiba que os espinhos fazem parte da rosa. Os espinhos são necessários pra nos ensinar onde devemos e não devemos colocar as mãos, pois rosas e espinhos andam juntos: cabe a nós mesmos escolher qual queremos levar. Quem quiser levar a rosa para sua vida, terá de saber que com elas vão inúmeros espinhos. Mas não se preocupe, porque a beleza da rosa vale o incômodo dos espinhos, pois a vida tem espinhos, mas aprenda a colher somente as rosas, tirando os espinhos com o tempo.
"Há outros que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"

- continuar

Os pássaros cantaram em uma melodia solene. As ondas vão e voltam no mesmo rumo. O céu brilha como um diamante. As flores moveram-se com o sopro do vento. As pedras ainda estão paradas. A terra bem seca e rica, mas continua sendo pisada. O ar corroe o pulmão e outrora inspira um suspiro e suspira um gemido. As abelhas fazendo mel e as borboletas abrindo tuas asas; voando. O girassol passou um perfume natural; que exuberância! O céu agora é laranja e meio tons de azul escuro. O sol se escondeu. As estrelas apareceram e logo sumiram atrás das nuvens; elas choraram um choro rítmico. Lá fora está frio e embaçaram a janela; as luzes da cidade estão acessas agora. A lareira está fervendo e o cobertor gelado. A noite foi bem longa que nem pararam de olhar a hora; ela nunca passava. Lá no poente viram uma luz, em meio às montanhas; amarela; novamente. E ouviram o pio do primeiro pássaro; o céu está clareando...
“E a vida se retoma; é assim...”

- acima das consequências.

Que sentido na vida seria viver e não viver? Várias pessoas tem seus melhores amigos para contar histórias, desvendar mistérios, sorrir, enxugar lágrimas, correr, contar segredos... E eu me fechei para o mundo. Tenho amigos, todos nós temos, né?! Mas aquele que eu conto meus sentimentos, o único, é para o teclado e para a tela do computador. Pra que tentar contar as coisas para as outras pessoas para elas fazerem cara triste, olhar para mim e dizer “que coitadinho!” e não poder resolver nada?! Não que aqui resolve alguma coisa, mas eu sou assim, e é isso. Sabe, tem coisas que estão num passado profundo, sabe?! Oculto. Mas andei pensando... sinto demais a saudade, sabe?! Não do que nós fazíamos, mas do que nós éramos, sabe?! Não é o beijo; mesmo. É o sorriso. Antes era tudo e de repente apagou a luz de uma vez, sem avisar, saca?! Sinto falta da amizade e do “boa tarde” mais mau humorado depois do serviço. O que foi já foi e com certeza não existirá novamente, porque não me imagino mais assim, mas tem coisa que nem o tempo apaga, sabe?! Passa o tempo que for. Mas infelizmente a mente humana é constituída de muito orgulho e não podemos obrigar as pessoas a fazerem nada; experiência própria. Agora entendeu porque as pessoas em minha volta não conseguiriam resolver? Então pra que elas precisam saber? Deixa eu continuar trabalhando porque sei que não vou conseguir nada mais e nem adianta eu insistir.
“Não sou eu quem dito as regras, se não faria a tua vontade e faria eu esquecer teu sorriso.”

- eles.

Talvez eu olhei pro céu e pensei: “Por que tenho poucos?” E nunca consegui entender. Lembro daqueles de muito longe, tipo, 2, 5, até 10 anos atrás por quem eu daria a vida e hoje são simples lembranças guardadas num baú, ao lado dos pensamentos, que volta e meia escapam do baú e vem de encontro com o coração me fazendo sentir aquela vontade de um simples sorriso; mas hoje impossível, mesmo! Talvez eu dei valor nos errados, mas que padrão eu tenho para definir qual o certo e o errado? Se algum deles foram os errados, foi o melhor erro que cometi. E mesmo que muitos deles não saibam disso, ainda assim terei-os no coração, pela eternidade, sabe?! Pois tem coisa que apesar da distância, do esquecimento e até do desprezo são guardadas naquele bauzinho acima. O meu nunca esteve cheio e nunca estará, pois teria de fazer uma limpeza nele para esvaziar e creio que não farei isso pois cada um teve seu tempo e se foi; é a lei da vida, infelizmente. Há também aqueles que estão do meu lado, seja fisicamente ou espiritualmente falando, dos quais não valem uma moeda, mas não troco por toda riqueza do mundo. Dos quais eu não abro mão por qualquer dificuldade, ou distância ou pensamentos. Dos quais eu amo, mesmo não dizendo estas palavras, sendo a frase mais complicada pra mim. Dos quais gostaria de passar a vida toda do lado, a cada instante, a cada gesto, a cada desenvolvimento, a cada lágrima, a cada consolo, a cada sorriso.
“Deus, obrigado pelos meus amigos, porque, mesmo eu não tendo muitos, os que eu tenho são os suficientes pra mim”.

- não depende.

Talvez eu não quisesse desta maneira. Talvez fosse de outro jeito. Nem tudo é da forma como queremos nem como imaginamos, até descobrirmos que nada depende de nós mesmos, sendo assim, aprendendo a nos adaptarmos com a situação. Já passei por tantas cidades e agora estou de mudança de novo. Não sei se é bem o que eu queria, pois tenho pessoas de valor aqui, e que às vezes nem saibam; umas um tanto afastadas, entretanto sempre lembradas e outras perto que pensam que tem todo o valor. Mais uma adaptação, pessoas novas, situações novas, confrontos e guerras novos. Mas que seja desta maneira, mas não sendo da minha maneira. Seguirei e voarei, como sempre fiz, deixando pessoas para trás, planos definhando-se e castelos voltando a ser pedras.
“É assim como deve ser, e tenho que adaptar-me e pronto.”

- o quem há de mais puro.

Quanto mais busco a essência , mais eu tenho sede de procura por ela. O incrível é que ela está presente, mas não pode-se ver, apenas sentir. É excepcional, é única, é intensa. A busca é incessante e parece não querer mais parar. O desespero compacta a ansiedade, reluz a vontade, mas apaga visão. Hoje choveu e bem forte, mas e amanhã? A tradução nem sempre estará disposta, tendo que aproveitar a guardar no coração enquanto pode. O medo tomou conta um dia, mas hoje é o temor e tremor. Um sopro basta, um toque sacia. O caráter é distintivo e sutil, mas predominante e predador.
“Continue em mim e não saia, ok?!”

- up!

Jamais sofra antecipadamente. Ame a Deus. Nunca desista de lutar. Não deixe que as dificuldades apaguem teu amor. Pense positivo. Caia, mas levante. Continue tentando. Dê um pulo ou olhe para a lua esta noite. Sorria. Marque a vida das pessoas com simples gestos. Busque tua felicidade. Acredite nos seus sonhos. O preço não importa.
"Deus é generoso por aqueles que lutam por e com Ele."

- livre para voar.

Como será que é a visão dos pássaros? Como será que é poder voar por todo céu, sem limites a hora que quiser e estar onde quiser, sem momento pra acabar? Como é tocar o céu? Eles vivem um sonho somente pelo simples fato de baterem as asas; mansamente. Com toda graça, com toda simplicidade, com toda paz. Livres, com único objetivo. Bater as asas é bem fácil, mas não bater os braços. Sou humano, um simples, e não sou capaz de ter esta experiência; este sonho. Mas voo conforme meus limites e pairo nos pensamentos e quando percebo que estou alto demais eu desço, mas sempre batendo-os.
"Aproveito, porque por enquanto, sonhar é de graça."

- já se foi.

E, brincando, um menino de quatro anos e uma menina de apenas três anos param e a menina pergunta: -" Maicon, você me ama?" E ele responde: -"Amo sim Keyla." E ela continua: -"Mas você me ama como os adultos?" E ele responde: -"Não, eu te amo de verdade."
"Feliz do homem que não espera nada, pois nunca terá desilusões."

- amor.

Quando eu falo em amor, em que, logo se lembra? Passado? Beijos? Prazeres carnais? Ou simples palavras? Com certeza existiu branca de neve e cinderela, mas onde? Não que eu queira viver ou insistir em contos de fadas, mas o que aconteceu com o mundo? Ando buscando razões e coisas ultimamente. Buscando sentidos e pensamentos das pessoas, e analisando, vejo que a carne está gritando mais alto. Estava, pois, passando na rua e me deparei com uma criança e disse para ela: “Como é bom nós amarmos uma pessoa, levá-la para passear na beira do mar, sentar em uma ponte, ver o pôr-do-sol, contar as estrelas, conversar a madrugada toda, adormecer e acordar com o os raios do sol em nosso rosto; olhar nos olhos e dizer o quanto ama e o quanto ela é importante na tua vida. São coisas tão simples, mas o fato de estar acompanhado com teu amor, tudo basta, né?!”. E ele olhou-me e disse: “Hoje em dia "nóis temo" que "pega" as "mina". Como “cê" é brega, tio”. Me senti um velho de 20 anos! E com o passar do tempo, o amor de muitos se esfriarão; é a lei da vida.
"Pois um “eu te odeio” é mais sincero do que um “eu te amo”."

- só hoje.


Às vezes você olha ao redor e não vê ninguém; eles somem ou não te ligam, ou fingem que não te vê. Não é que quero toda atenção; é que a multidão em minha volta não consegue sentir o que eu sinto; não é capaz de me entender. Você não precisa continuar a ler e sentir o desânimo. É que às vezes parece não ter fim, sabe?! Vocês precisam escutar as vozes e acenar com a cabeça que não. E se eu não fizer isso, quem fará por mim? Sumir não seria a solução, mas eu queria. Estando lá, eu me reconstituindo, retomando minhas forças, me conhecendo... Só queria gritar pra todo mundo ouvir a dor. Talvez eu deva abrir mão de tudo e de todos e preocupar comigo mesmo; talvez na prática seria bem mais complicado. Dar-me-ei incentivo para ser feliz e, se precisar, irei em busca dela; aquela felicidade na qual você esquece absolutamente tudo e buscaria somente os céus. Pra que esperar pelas pessoas? Elas nada podem fazer. Não vou ficar o resto da vida neste dia ruim.

“Está escrito assim, eu sei.”

- o consolo vem do alto.


Se os joelhos se dobram, os céus se abrem, como um raio de luz que ilumina, expulsando toda a treva. Andava sem rumo, mas com um objetivo e ele se desfez. Apenas ouvia falar de sonhar, bem de longe... a realidade era outra; nenhum passo a mais e nenhum passo a menos. Antes eu era “desisto”. Depois “disto”. Tornei-me “isto” e hoje sou “D’isso”. Com isso, aprendi que ausentar-se não quer dizer que odeio ou que esqueci; quer dizer que não quero trazer de volta o que se foi. Às vezes, digo que não estou pronto; mas estou. Digo que quero, mas no fundo eu não quero. Digo que não vou, mas quando eu for, não espero. Pra que subir um degrau e cair três? Agora sei até onde posso chegar, pois até o infinito do céu não basta pra mim.

‎"Prometa que sempre que se sentir triste, inseguro ou perder completamente a fé, vai tentar olhar para si mesmo, com os olhos de Deus e ver o seu verdadeiro valor?"

- águas de março.


Eu costumava a viver no tempo em que o tempo tinha ponteiro, onde tudo se degustava com atenção e com calma; os minutos eram horas e as horas, dias. O apreciar, o amar, o paladar, as estrelas e a lua, a noite de sono, o mar e o tempo para si mesmo... cadê? Para onde foi tudo isso? Se escondeu? Quem escondeu? Ou eu perdi? Tudo parece tão rápido agora, sabe?! Os dias, as folgas, o ar... Tanta coisa mudando em tão pouco tempo... Estou vivendo em dias em que tenho um lápis, mas não tenho uma borracha; se errou, fica errado. Um casal se amando, os grilos soando, os pássaros cantando, as estrelas brilhando, uma leve chuva e um guarda-chuva pros dois, uma tarde no campo para ler um livro, um piquenique, cadê? Mas cadê mesmo? Hoje existe apenas o barulho de celular, carros buzinando com pressa, pessoas guardando cada dia mais ódio e perdoando menos, olhos sangrando, um homem que ficou com uma mulher, que ficou com outro homem e depois com outra mulher, interesse e dinheiro.

“Como eu queria voltar ao jardim da inocência.”

- o fantástico mundo de Bob.


Como é engraçado a imaginação das pessoas, né?!

“Apenas deixo-as acreditarem que sabem absolutamente tudo de mim e faço-as pensar que estão certas e basta.”

- tempestade.


Pareceu um alívio, e foi. Pareceu a calmaria, e se cumpriu. Suspirei com todo o ar que pude empurrar para dentro de mim e soltei-o num só gemido de liberdade. E tudo se calou, até o vento. Ferir pessoas, colocar mentiras nas cabeças delas, fazê-las chorarem por um simples desejo obcecado? Não consigo, não posso, não aceito tais atitudes. Estava prejudicando todos em minha volta, sem exceção e do jeito que estava não poderia ficar. Olhava para os meus amigos ao meu redor com o peso de magoá-los por coisas que eu não fiz. Tudo isso acabou com um telefonema... Fui sincero, não me arrependo e era tudo o que eu queria dizer, não?! Não!! Aquele não era eu, pra que mentir? Disfarcei-me e muito bem. Minha voz, antes de ouvir o silêncio do telefone já havia mudado, pra que me enganar? Travei depois de largar o aparelho telefônico. Foi difícil, pois enquanto louvavam “Sou Humano” me desesperei e olhei ao redor e cadê? Não estava. Duas horas de choro seguidas, todos me olhando e me perguntando o que tinha acontecido e eu nada tinha a declarar, apenas pela simples culpa, me perguntando a Deus: “Eu afastei ela do Senhor, meu Deus”. Sim eu chorei, solucei e meu olho apenas entre-aberto. Qual era o propósito? Do jeito que machucava as pessoas por minha causa, não poderia continuar acontecendo, muito menos inventando mentiras e torturando-as, pondo medo nelas e me manipulando. Pode me odiar, pode me julgar, pode afastar-se de mim, pode nunca mais olhar para mim, eu aceito. Mas ver que você voltou na casa de Deus, eu apenas te digo: “Que Mulher!”

- estou orgulhoso; mesmo.

-...


..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................
..................................................................................

"Pra que esfregar tudo na cara se o silêncio e a melhor resposta?"

- até ontem.


Hoje mesmo eu murmurei, sabe?! Eu murmurava e não entendia o porquê. O julgava, não aceitava o que Ele Impôs na minha vida e queria o que eu queria e não a Tua vontade, mesmo sabendo que seria cobrado depois. Queria o mais difícil e sofrer bastava e estava tudo bem. Te trazer de volta, era como se cada lágrima que eu derramasse era um centímetro mais perto de ti. Então queria chorar quilômetros por noite. Te queria, te queria, te queria. A saudade corroia como um ácido penetrando cada fibra de meu coração; e me satisfazia com as lágrimas da noite... como eu era feliz... BESTEIRA!! Até que hoje, neste instante, sabe?!, lembrei de um passado que passou e lembrei que ele passou; simples assim. Queria te dizer pessoalmente, mas é impossível, pois faço, agora, somente a vontade de Deus... Espero, de verdade, que Deus faça contigo o mesmo que fez comigo, juro. A tua felicidade ainda é importante pra mim. Olhei para uma foto atual com quem estás feliz e gritei: "Graças a Deus que está no passado e não sou eu no lugar dele!"

“Obrigado Deus, mesmo!!”

- adapte-me.


Sim; não. Agora; mais tarde. Muito; pouco. Cheio; vazio. Necessito; não preciso. Construo; destruo. Canto; me calo. Rasgo; costuro. Mordo; assopro. Corro; paro. Sorriso que contamina; mal humor. Cheio de vida, desprendido; doente, manhoso. Doce; salgado. Tempestade; bonança. Faca; pena. Pego no pé, eufórico; pare, chega. Excesso; escassez. Respondo; ignoro. Espelho; caco de vidro. Faminto; saciado. Flor; espinho. Temperado; insonso. Contagiante; insuportável.

"Tenho opinião, mas enjoo de tudo. Prefiro ser este camaleão ambulante do que ter aquela velha rotina formada."

- meu tudo.


Às vezes vem a lembrança, mas eu louvo um cântico e se vai. Às vezes grita e eu faço calar. Às vezes escorre dos olhos, mas eu seco. Às vezes cai desacordado, mas me levanto rápido. Às vezes incomoda; finjo que não é comigo. Às vezes me sinto só e recebo um abraço daquEle que sempre estará ao meu lado; e pra mim basta. Antes eu pensava ser impossível, sabe?! Hoje vejo a quantidade de barreiras que foram levantadas por mim. Tão fácil decidir entre a fé, a emoção e a razão... Apenas aceitar a única opção e dizer não; sorrindo sempre.

“Pois a oração é o grito mais alto.”

- eu tive um sonho.


[...] parecia tão real, sabe?! Estava na tua casa, eu correndo e você rindo, o céu estava escuro e as estrelas brilhavam no ocidente, apenas. A Lua havia se escondido em uma porção de nuvens que estavam carregando lágrimas que se aproximavam de nós; mas mesmo assim eu corria. Tudo fora tão rápido, porém tão prazeroso que, cronologicamente foram 10 segundos, mas sei que foi pelo menos umas 16 horas contigo. Meu interior foi abraçado, mas meu físico não. A saudade se fora por poucos segundos (ou horas) e quando acordei, estava rindo, pois, se Deus não permitir nos vermos pessoalmente, talvez nunca mais, sei que ele está matando esta vontade que me corroe de te sentir e te abraçar, mas sei que esteve comigo, eu sei. Você ainda é aquela que me apresentou Deus, é aquela que eu amo incessadamente e é aquela que sempre estará em meus pensamentos, a cada momento do meu dia e a cada oração, mesmo que não te ligue, mesmo que todos conspirem contra, nem te mande mensagem ou te faça pensar que te esqueci...

“Estou aqui e sempre estarei, tia. Apenas não me abandone pra sempre. (Miss u)”

- solte-se.


É preciso deitar, é preciso sentar, é preciso andar, é preciso caminhar, é preciso correr, é preciso voar; a vida é mesmo urgente, sabe?! Eu prefiro mesmo é caminhar sem pressa, deslizando pela estrada brilhante, onde o fim é apenas o começo. As nuvens e o Sol são consequências; as estrelas e a Lua, coincidência. Pra que suas luzes se, ao viajar, estarei de olhos fechados? Embarcarei em alguma coisa e me acomodarei em algum canto, indo para algum lugar, viajando indefinidamente, como uma nave especial perdida no céu abundante, confiante naquEle que me guia.

“Abro mão de tudo. Apenas irradio fé, amor e sorrisos.”