- sem nome.

De longe te vejo imóvel. Algo, lá no alto está vermelho, e, então, tudo parou. O ar, os pássaros, os pensamentos, o universo, e tudo o que eu conseguia fazer era te olhar. Alguns carros passavam e passeavam, as pessoas estavam andando e depois correndo... parece que pouco a pouco as coisas estão voltando a se mover, porém aquilo no alto está verde e eu ainda estava te olhando. Suas mãos eram firmes e seus olhos estavam desviando dos meus propositalmente, de vergonha, talvez, mas volta e meia você espiava de canto; seus incríveis olhos que marcaram a ferro minha mente. O desenho do seu pescoço me fez delirar, e eu continuava a te olhar. Seus dedos eram tenros e suas unhas desenhadas a mão! Como pude ver tudo isso em apenas 4 segundos? Eu consegui! E mesmo depois deste dia, eu ainda continuo, de olhos bem fechados, te olhando.
"E ainda nem sei seu nome."

0 comentários:

Postar um comentário