quarta-feira, 22 de maio de 2013

- conto de fadas.

[...] pode parecer uma narrativa curta, na qual explica um sentimento inexplicável entre duas pessoas. Contudo, mesmo que não seja o final feliz, mas seja o final que deveria ser, ainda pode dar certo. Nem que eu tenha que lutar contra a tortura de ter que permanecer ao lado seu sem te ter ou te tocar; estar contigo é o que eu quero. Mas hoje, na verdade, senti saudades das estrelas, acompanhadas da sua voz e dos seus dedos entrelaçados nos meus.
“Porque quando eu te achei, eu me perdi.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário